Comissão de Avaliação da Comissão de Graduação

A Comissão de Avaliação é uma das comissões assessoras da Comissão de Graduação, criada no âmbito da modernização curricular do curso de graduação da FOUSP tendo como objetivo assessorar a CG na formulação, implementação e desenvolvimento do modelo de avaliação no âmbito da graduação.

A avaliação no âmbito da graduação engloba a avaliação do processo de ensino-aprendizagem dos estudantes, a avaliação docente e a avaliação institucional.

A Comissão de Avaliação foi constituída em julho de 2021, pelo Prof. Dr. Giuseppe Romito, quando então Vice-Presidente da Comissão de Graduação e Coordenador da Comissão Coordenadora do Curso (CoC). É acompanhada pelo atual Vice-Presidente da CG e Coordenador da CoC Prof. Dr. Roberto Braga.  

A Comissão de Avaliação da CG é formada por um docente de cada Departamento, e reúne-se regularmente desde a sua criação. Como ponto de partida, a Comissão se debruçou detalhadamente sobre o Projeto de Modernização Curricular, ao mesmo tempo em que a experiência de cada docente integrante da Comissão foi apresentada e considerada.

Um dos principais documentos de referência na orientação dos trabalhos da Comissão é o das novas Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação em Odontologia. Destaca-se das DCN o capítulo VII, que trata da Avaliação, em especial nos seguintes artigos:

[…]

Art. 33 A implantação e desenvolvimento das DCN do curso de graduação em Odontologia deverão ser monitoradas e permanentemente avaliadas, a fim de acompanhar os processos e permitir os ajustes que se fizerem necessários ao seu aperfeiçoamento.

Art. 34 O curso de graduação em Odontologia deverá desenvolver instrumentos, definidos pela instituição em que for implantado e desenvolvido, que avaliem a estrutura, os processos e os resultados da aprendizagem, em consonância com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) e com a dinâmica curricular

§ 1º As avaliações dos estudantes deverão basear-se nas competências desenvolvidas, tendo como referência as presentes Diretrizes Curriculares, e deverão incluir a avaliação e o uso judicioso e habitual, pelo estudante, da comunicação, do conhecimento, das habilidades técnicas, do raciocínio clínico, das emoções, dos valores e das reflexões na prática diária, visando o benefício dos indivíduos e da comunidade em que atua

§ 2º O sistema de avaliação deve incluir a auto-avaliação do estudante, como estímulo ao desenvolvimento do compromisso com a sua formação, bem como com a habilidade de aprender a aprender.

[…]

A Comissão de Avaliação desenvolve suas atividades com o suporte e subsidiada pela Comissão Coordenadora do Curso de Graduação (CoC/CG), o modelo de avaliação proposto foi apresentado e aprovado pela Comissão de Graduação, e posteriormente foi apresentado aos Coordenadores de Unidades Curriculares.

Composição da Comissão de Avaliação

Instituída pela Portaria FO n. 252/2022, é  composta por um representante de cada Departamento da FOUSP, integrada atualmente pelos seguintes membros:

Ana Estela Haddad – Presidente, Departamento de Ortodontia e Odontopediatria

Alyne Simões – Departamento de Biomateriais e Biologia Oral

Andrea Trainá – Departamento de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial

Cristina Villar – Departamento de Estomatologia

Fernando Elias Melhem – Departamento de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial

Josete Cruz Meira – Departamento de Biomateriais e Biologia Oral

Luciana Côrrea – Departamento de Estomatologia

Maria Gabriela Biazevic – Departamento de Odontologia Social

Mary Caroline Skelton Macedo – Departamento de Dentística

Regina Tamaki – Departamento de Prótese Dentária

Modelo e Etapas da Avaliação

Analisando-se a estrutura do currículo novo, uma mudança relevante é que sua divisão não está mais baseada nas disciplinas e seus respectivos Departamentos. Atendendo à diretriz de integração, a divisão é dada por Unidades Curriculares (UC). Cada UC é composta por um conjunto de conteúdos de diferentes disciplinas, bem como será ministrada pelo conjunto de docentes oriundos de diferentes Departamentos e responsáveis por esses conteúdos. A maioria das UC estende-se por mais de um semestre do curso.

Nesse sentido, a Comissão de Avaliação está adotando uma nomenclatura própria para ajustar a proposta de avaliação ao novo modelo curricular. O currículo é constituído por 03 ciclos principais (Básico, Intermediário e Profissionalizante), e cada ciclo é formado por um conjunto de Unidades Curriculares. A divisão e transição entre os ciclos é gradual e não estanque na passagem de um semestre determinado a outro. As UCs estão divididas em módulos semestrais. Os módulos estão cadastrados no Júpiter, de forma análoga/semelhante às disciplinas atuais.

Cada UC tem tantos módulos quanto o número de semestres em que é ministrada. O conteúdo programático de cada módulo por sua vez, pode estar dividido em “blocos”, oriundos de diferentes disciplinas, Departamentos ou até Institutos. Dessa forma, pode-se considerar que uma UC é constituída por módulos e cada módulo pode ser constituído por blocos.

A integração dos conteúdos programáticos oriundos de diferentes disciplinas dentro de um módulo é desejável e incentivada na nova estrutura curricular; porém, em alguns casos estes conteúdos podem estar divididos em “blocos”.

Esquema gráfico da estrutura curricular, aplicada ao planejamento da avaliação:

Avaliação das Unidades Curriculares – contém os elementos específicos de cada Unidade Curricular, é de responsabilidade da própria UC, devendo ter como referência as diretrizes e parâmetros propostos pela Comissão de Avaliação e definidos pela CG.

 Avaliação Semestral –tem como objetivo promover a integração dos módulos das Unidades Curriculares ministrados a cada semestre. É formulada, aplicada e analisada em equipe, pelos Coordenadores das UCs do respectivo semestre, com o apoio da Comissão de Avaliação.

Avaliação de Ciclo – realizada ao final de cada um dos três Ciclos do currículo, com o objetivo de avaliar de forma global e integrada as habilidades e competências esperadas do aluno ao completar esta etapa da formação. É formulada, aplicada e analisada em equipe pelos Coordenadores das UCs do respectivo ciclo, com o apoio da Comissão de Avaliação.

Há diferentes formas de classificação da avaliação. De acordo com os estudos de Bloom (1983) o processo de ensino-aprendizagem apresenta 3 tipos de funções: 

  • avaliação diagnóstica
  • avaliação formativa  
  • avaliação somativa

A avaliação diagnóstica tem como objetivo conhecer melhor os alunos e buscar subsídios para fazer um planejamento pedagógico mais bem contextualizado à sua realidade e expectativas. Ela também serve de linha de base para que após o processo de ensino-aprendizagem possamos comparar dois momentos diferentes e o que pudemos acrescentar de conhecimentos, habilidades e competências atitudinais, conforme o caso.

A avaliação formativa é aquela que se conduz ao longo do processo de ensino-aprendizagem, não com a finalidade de aprovação/reprovação, mas de verificar, monitorar o percurso de aprendizado dos alunos, podendo assim corrigir a rota, reforçar ou reformular estratégias pedagógicas, rever conteúdos, tirar as dúvidas, facilitando o alcance dos objetivos pedagógicos traçados.

A avaliação somativa é aquela que se realiza ao final de um ciclo pedagógico, pode ser um módulo, uma unidade temática, uma disciplina, que resulta em uma nota, e aprovação ou não do aluno, para fins de cerificação. Ela pode ser comparada em seus resultados, conforme o caso, com a avaliação diagnóstica, retratando a eficácia e efetividade da intervenção educacional, seja considerando o desempenho de cada aluno, individualmente, como também do grupo em análise

A avaliação no projeto de modernização curricular da graduação em odontologia da FOUSP

  • Os processos avaliativos devem incluir aspectos formativos;
  • A avaliação na FOUSP deve ser tomada com seriedade pelos estudantes e professores, passando a ser um dos importantes parâmetros de análise do desenvolvimento do estudante e medida fiel de sua evolução em relação às competências desejadas;
  • Padronização e independência são fatores fundamentais no desenvolvimento de um processo avaliativo que tenha credibilidade e que possa ser utilizado com o mínimo viés possível, como parâmetro de comparação;
  • A avaliação não deve privilegiar apenas conhecimentos (em seus diferentes níveis) mas também incluir a avaliação de habilidades e atitudes. Neste sentido, múltiplas formas de avaliação são estimuladas numa mesma Unidade Curricular incluindo: avaliações tradicionais (provas), trabalhos, avaliações clínicas (OSCE), simulações, entre outros;
  • A diversificação do processo avaliativo, com múltiplas ferramentas, adaptadas aos diferentes momentos e cenários do curso será fundamental para garantir que a integralidade do processo de ensino- aprendizagem seja alcançado;
  • A avaliação não deve privilegiar apenas conhecimentos (em seus diferentes níveis) mas também incluir a avaliação de habilidades e atitudes. Neste sentido, múltiplas formas de avaliação são estimuladas numa mesma Unidade Curricular incluindo: avaliações tradicionais (provas), trabalhos, avaliações clínicas (OSCE), simulações, entre outros;

Recomendações adicionais da comissão de avaliação:

  • A avaliação precisa ser constante, contínua para que possamos monitorar os resultados, analisá-los como subsídios para aperfeiçoar nossas práticas pedagógicas. A postura punitiva em geral pode levar à perda de interesse, pode ser um desestímulo ao processo de aprendizagem do aluno.
  • Um desafio inerente à avaliação é a importância da calibração (reprodutibilidade, imparcialidade, transparência), embora seja muito difícil eliminar por completo o caráter subjetivo e também impregnado dos valores de quem avalia.
  • Ao planejar a avaliação, é importante ter em mente o que é o essencial, aquilo que o aluno deve saber, no contexto do seu nível de formação, e garantir que o essencial esteja presente centralmente na avaliação
  • É relevante que o aluno saiba antecipadamente o que se espera dele, que conheça e compreenda os objetivos pedagógicos e como ele será avaliado.
  • É muito importante garantir que se planeje os meios e que se tenha o respaldo e estrutura necessários para poder aplicar o que foi planejado em avaliação.
  • É recomendado buscar reduzir/combater o hábito do aluno de estudar apenas para a prova.
  • Diferentes alunos apresentam diferentes competências, alguns desempenham melhor na prática, nem sempre conseguem integrar e aplicar os conhecimentos teóricos, outros expressam-se bem na escrita.
  • É muito importante que as estratégias a serem adotadas considerem a avaliação teórica, prática laboratorial e clínica, bem como aspectos atitudinais mediados pela capacidade de regulação emocional.
  • Um desafio importante é o da integração curricular, que deve também orientar o planejamento da avaliação. Conhecer outras experiências, em especial na área da saúde, nos ajudará a encontrar o nosso caminho.
  • Experiência de instituir a auto-avaliação na clínica – o aluno precisa aprender este processo, desenvolver o hábito de se auto avaliar e se auto-regular constantemente. Os alunos precisam ter parâmetros.
  • O feedback periódico, reforçando o desempenho positivo e apontando o que ainda falta, é fundamental como mecanismo de reforçar e autorregular o aprendizado, bem como para manter o aluno motivado no seu percurso formativo.
  • Não deixar de reprovar o aluno quando for o caso, mas a forma de abordar deve demonstrar acolhimento, compreensão e empatia, ressaltando que o objetivo central é o aprendizado.
  • É fundamental a análise, seleção e desenvolvimento de ferramentas analógicas e digitais de avaliação, que garantam a segurança, reprodutibilidade e integridade do processo avaliativo e, principalmente, que atendam plenamente as necessidades específicas da FOUSP.

Documentos de referência

Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n. 03/2021 – Institui as Diretrizes Curriculares Nacionals para os cursos de graduação em Odontologia. http://portal.mec.gov.br/docman/junho-2021-pdf/191741-rces003-21/file

Projeto Acadêmico da FOUSP – https://site.fo.usp.br/wp-content/uploads/2022/10/Projeto-academico-FOUSP.pdf

Projeto Pedagógico do curso de graduação em Odontologia da FOUSP.

Projeto de Modernização Curricular da FOUSP.

BLOOM, B. et al. (1983). Manual de Avaliação Formativa e Somativa do Aprendizado Escolar, trad. Lilian Rochlitz Quintão; Maria Cristina Fioratti Florez; Maria Eugênia Vanzolini. São Paulo: Livraria Pioneira Editora.

Atividades